sobre_crer

29 mar

pray_devient_artCada religião-crença-ceita tem seus dogmas, seus deuses, seus santos, mas no fundo, vocês já se deram conta de que são TODAS IGUAIS? Simmm!!! Todas acreditam em algo superior, que tem um poder superior e que graças a ele estamos vivos e a dele devemos tudo. Todas buscam algum tipo de “salvação” e a paz, porém dentro de seu clã! Aí que mora o problema!!!! Cada um que crê em algo acha que seu Deus e sua Fé é maior que a do outro.
Discordo completamente! Para mim, se todas as pessoas religiosas respeitassem de fato a sua religião, iriam propagam apenas coisas boas, iriam irradiar bons sentimentos de amor, sempre! Constantemente! Além disso, iriam respeitar que o meu Deus não é melhor nem pior que o dele. Todos merecem respeito, sobretudo a fé alheia. Não preciso frequentar a tua igreja, nem rezar para o teu Deus, mas posso simplesmente aceitar que ele faz bem para ti, te traz o teu melhor, te dá paz, assim como o meu Deus faz isso por mim.
O mundo precisa de paz, de amor, de compreensão, de carinho. Falta carinho. Sobra fé, fé egoísta, onde se acredita que algo é melhor que outro. Nada é melhor ou pior, ninguém é melhor ou pior, as coisas e as pessoas são diferentes, com energias diferentes, em tempos diferentes!
Alguns demoram anos para perceberem algo, outros horas. A vida é assim, cheia de diferenças e isso que torna o viver um constante aprendizado…

Se fosse fácil todo mundo fazia

31 jan

É simples assim a vida, se as coisas fossem fáceis, todo mundo faria igual! Todo mundo alcançaria as mesmas coisas… Independente de gostos diferentes, todo mundo chegaria longe, alcançaria os sonhos e desejos…. Mas não, almejar as coisas e conquistar não é fácil, nem um pouco!

Às vezes a gente tenta e tenta e tenta mais um pouco e ainda assim só se ferra! Dai sempre tem aquele consolo clássico “se não foi é porque não era para ser”. Acredito nisso, cegamente, mas também acredito que quando desejamos algo com todo o nosso coração, verdadeiramente, a gente alcança, mesmo que demore muito.

Descobri que eu nunca tive um sonho de verdade, do fundo da minha alma. Várias coisas que busquei até hoje (e muitas delas desisti e n acalcei!) não eram sonhos meus, eram projetados de outras pessoas. Na verdade, a maioria. Não foi ruim isso, pois só sou quem eu sou agora porque passei por isso, porque hoje reconheço isso, tenho consciência e tal.

Mas me entristece muito saber que um sonho só meu, um desejo verdadeiro vindo do coração, eu nunca tive! Talvez conhecer o Hawai seja um deles…, mas me parece tão pouco. E depois que eu for lá e conhecer?! Vou passar para outro lugar que eu queira conhecer? Não vejo moral nesse tipo de coisa…

Pois então, nem ter um sonho verdadeiro é tarefa “fácil”. A gente almeja 200 milhões de coisas ao longo da vida. Desde coisas fúteis e superficiais (na maioria das vezes é isso) até se curar de doenças e tal… Mas dai para e pensa, um sonho para valer MESMO! De verdade! Aquele que vem do coração… Parece algo um pouco mais confuso e complicado!

“go away”

17 jan

despedida

Desejar ir embora é um pouco, sim, querer deixar para trás tudo que passou, é começar do zero. É um sentimento, talvez um tanto inexplicável, pelo menos para mim! É um desejo tão profundo, o qual gera medo, ansiedade e ao mesmo tempo a certeza de estar fazendo a coisa certa!

Acho que o mais difícil nessa vida é saber o que é a coisa certa. Para mim, tudo foi sempre tão mutável. Tenho a sensação de que eu funciono na mesma frequência que as fases da lua, inconstante, profunda, confusa, mas de uma beleza inexplicável (não estou dizendo que sou linda esteticamente falando, ahh também não vou explicar….)!

Ao londo dos meus 31 anos e seis meses de vida vi muitas pessoas que eu amava irem embora e eu sempre estive lá, apoiando, dando força. Acho que é mais fácil para quem vai do que para quem fica. Lembro de ter dito isso para uma das pessoas que eu disse “adeus”! Que o sofrimento de quem fica é tentar viver com a lembrança em todas as coisas e lugares. Quem vai, é tudo novo, tem a saudade, lógico, mas são novas lembranças que surgem, são novos momentos, tem como distrair a dor…

Acho que agora é a hora de eu partir, de eu dizer adeus ás pessoas que amo. Sei que não vai ser fácil, sei que esse novo deslumbrante, em alguns momentos, não vai significar nada perto da saudade daquele cachorro quente fedido perto de onde costumava a ser minha casa. Mas acredito em ciclos e para mim, o que rege a vida é isso! Vivemos de acordo dos ciclos, sejam eles da lua, do sol, das marés (que na verdade são os da lua!)…

Ano do Galo de Fogo

16 jan

s4njg0atwae-joshua-newton2017 promete!

Promete ser um ano para acabar com tudo e recomeçar. Sabe aquelas viradas drásticas das coisas? Que precisam ter um fim, de fato, para ressurgirem?! Tenho essa a sensação sobre 2017.

Não vai ser fácil. Nada fácil. Não vai ser docinho, nem se comparado a 2016!! Desculpe, não sei me iludir quando não sinto de verdade algo! hehehe 2016 foi tenso, intenso e terrível! #sqn. Pelo menos para mim, foi um ano pesado (tipo aqueles dias de verão que tá um calor dos infernos e tá quase caindo um temporal, tu sente o ar pesado mesmo, úmido e aquela tensão pré-temporal!!). Para mim, isso descreve 2016! 2017 vai ser o temporal, o que tem que ficar fica, o que não tem,o vento, a chuva, a tormenta vai levar embora!

Nessa transição de ano, me dei conta de sentimentos loucos, intensos, os tornei racionais, isso não que dizer que os superei ou “deixei para lá”. Isso que dizer que tomei consciência de que nem tudo é tão claro, que nem tudo é tão certeiro, mesmo quando temos certeza e que a gente muda, que todo mundo muda, e muito, o tempo todo. Sempre penso que mudar é bom, odeio inércia, odeio gente que depois de 10 anos seguem com a mesma rotina, o mesmo pensamento e com os mesmos hobbies (gente sem graça!!!).

Acho que não é fácil. Conseguir racionalizar qualquer coisa é tarefa complicada, exige tempo, saco e um belo pacote de papel, porque é bem doloroso. Aprender a olhar para nós mesmos, para o nosso interior, para nossas dores e amores, sem filtros, sem julgamentos é tão complicado que dói. Tipo dor física, tipo doença do corpo físico também!

Por isso, o que eu sejo para este ano do Galo de Fogo é mais introspecção, mais auto conhecimento, e acima de tudo, algo que estou aprendendo, aos poucos, mas com muita dedicação: compaixão!

 

Sobre trabalho

4 fev

Tenho estudado e ido a diferentes palestras, cursos e eventos que falem de marketing digital e sobre o que devemos esperar de 2016, entre tanta outras coisas como tendências, clientes, comportamento.

Nos últimos dois anos (mais ou menos tempo que tenho me dedicado somente a esta área de estudos) todos falam de mobile, mobile e mobile. Nesse tempo surgiu a “febre” dos apps. Todo mundo queria fazer um. Refletindo sobre exatamente isso, e buscando entender melhor, mês passado (janeiro), fui a uma palestra onde a moça (eu sou péssiiiiima para guardar nomes) que estava apresentando questionou muito sobre esse desespero por apps. A partir disso, me dei conta de algo muito simples, a gente faz mkt digital, apps, sites, facebooks, partindo do ideal e não da nossa própria rotina, ou de nossos clientes. A gente esquece que 99% do tempo do nosso dia estamos na rua com 3g comendo nossos dados via instagram, whatsapp, facebook, twitter e email. Agora me diz, QUEM vai baixar o seu app? Okay, não estou falando que ngm deve ter app, tanto que o MEU celular acabou a capacidade de tantos que tenho. E dai, vem uma segunda pergunta, o que tem o SEU APP de TÃO bom que eu não irei desinstalar para ter espaço para tirar mais fotos do meu cachorro?

Pergunta que as pessoas não fazem. E é TÃO SIMPLES. Cada vez mais tenho pensado no consumidor, na Roberta, no João, no Pedro, na Maria e ai por diante. Nas pessoas, em suas rotinas, que assistem novela grudadas no celular, que estão vendo o jornal e acompanhando o que está acontecendo no Twitter. Que vão para a balada mas não saem do snapchat ou do tinder. SIM. Quem é o TEU público, o que que ELE gosta de fazer e quando TU pode falar com ele?

São coisas básicas, que a gente não pensa, não analisa… Enfim, esse assunto é gigante, e deveria se pensar mais, refletir mais! Não é fácil, não é uma canoa que se constroi sozinho dentro de quatro paredes. Requer uma equipe preparada, interessada e principalmente fora da caixa.

Mas dai, falar de equipe vai ficar para outro texto… em outro dia de inspiração. 😉

deixa que digam, que pensem e que falem…

23 nov

Sim, as pessoas adoram falar, sim adoram criticar, julgar. As pessoas apontam o dedo para as escolhas alheias, mas jamais olham para o seu umbigo. Jamais, param e refletem sobre as suas escolhas.

Sim, isso se encaixa a ti, a mim, a todos nós. Evoluído aquele que consegue se colocar no lugar do outro antes de pensar em si.

Não sejamos hipócritas, a gente projeta, mais do gostaríamos (pelo menos eu), e dai entram a mágoa, frustração, etc… Se a gente fosse evoluído o suficiente, não iríamos nos importar tanto.

Paciência, a vida é assim, cheia de projeções, expectativas e frustrações.

Dai, eu me pego pensando: “deixa que digam, que pensem e que falem….” no final do dia, sou eu, com meus botões, meus medos, minhas alegrias e conquistas, minhas frustrações, meus problemas e minhas soluções. No final das contas, sempre estamos sozinhos. Temos que estar bem com nós mesmos, e se isso acontece… AHHH, é tão simples o resultado, tipo um mais um sabe?! A gente não tem tempo de julgar o outro. Pois dai sim vamos entender, aceitar e não se importar com o que os outros fazem, com as suas escolhas, até pq, cada um é dono de sua própria alegria e conquista, mas de sua dor também. Cada um é feliz, ou não, por suas próprias escolhas. E, da mesma forma como não sei a tua história (aquela, mais íntima, que mtas vezes nem a gente entende), ninguém, nunca, vai saber da minha.

Música aos meus ouvidos

20 nov

Depois de uma semana tensa, louca, cansativa e aparentemente eterna… AH a tão desejada sexta-feira.

Até parece que meu organismo sabia. Aguentou firme até quinta a noite, para desabar! É quando a gente não para, respira, medita, o corpo pede, suplica por descanso, a mente berra desesperadamente por silêncio, ou uma boa música para relaxar, longe de fofocas, de pressão, de estresse, mas apenas coisas boas, lembranças que façam o coração sorrir.

Acredito que tem dias que a única coisa que se precisa é um pouco de música, tranquilidade, e se enfiar em uma bolha, se tele-transportar, através de lembranças, para aquele lugar quietinho, em que sabemos que nada vai nos atingir, que sabemos que somos intocáveis, que é tudo tranquilo, pleno, sem desculpas esfarrapadas, sem prazos vencendo, sem contas a serem pagas, sem nada, apenas serenidade.

Eu queria, do fundo da minha alma, ser um “budah”. Admiro as pessoas tranquilas, calmas. Mas meu coração e mente são dois vulcões, sempre explodindo! Nunca dormem, nunca descansam… Até meu corpo e mente suplicarem.