Arquivo | março, 2013

Suspiros

21 mar

Gosto do que me encanta, desencanta e reconquista.

Gosto do que me arranca suspiros…

Assisti ao filme Oz hoje, ele não me arrancou suspiros, já a atuação do James Franco, me fez suspirar as duas horas e meia de filme. Besteira, ele é inatingível. Ok, ok. Pouca importa essa parta na real… Mas me chateia que as pessoas não se importam mais em conquistar. O sexo anda tão facil que os homens não conquistam mais.

Ok, ok, não vou explicar minha lógica, só quero suspiros. Quero saber onde estão os suspiros das pessoas…

Não tô falando só de mim, mas faz tempo que não escuto alguém suspirar, se surpreender, se sentir encantado, conquistado. Cadê o “flerte”? Não, ele não tá fora de moda. Ou tá e eu que to ficando velha e romantica.

Não tenho saco para enrolação, sempre falo isso. Mas, vamos esclarecer: enrolar é uma coisa, conquistar, é outra, bem diferente.
Nada como alguém que me arranca suspiros no meio de uma tarde turbulenta de trabalho. Que faça eu sair da realidade por alguns segundos, morder o lábio de leve, sorrir e suspirar, tudo numa fração de segundos que me fazem feliz por um dia todo.

Acho que tô ficando velha e romântica.
Até porque não espero que alguém me faça suspirar, desisti de achar esse vivente, ou de alguém que conquiste, que encante…. Acho que a praticidade do mundo tornou ele vazio, sem sentimentos, frio, direto e automático. Seguimos regras… Os homens devem dormir abraçados com as mulheres depois que transam com elas, mas não podem ficar para o café da manhã porque dai ela vai entender que ele quer algo sério. E se eu preferir o café da manhã conversando e rindo (como tinha acontecido antes do sexo na noite anterior) do que dormir abraçado?
A vida anda cheia de regras a serem seguidas, mas não deveria ser assim, cada um gosta de uma coisa. Alguns criam expectativas, outras acham que não transando na primeira noite o cara vai ligar, dai ele não liga e acha que esse é o motivo, pois todas acabam fazendo. E se faz e ele não liga, acha que foi muito fácil. Agora, se ele liga e ela dispensa, é uma vadia mesmo.

Ok, ok.

Para variar do James Franco parei nas vadias… Total fugi do assunto. Mas juro que tem uma coerencia tudo isso. No fundo, todo mundo deseja suprir carências. Não adianta, é da natureza humana. Seja com sexo casual ou com dormir abraçado. Dai não entendo, porque que depois do sexo não pode mais ter a parte da trova, da conquista? Dai, lembro de Rita Lee, falando que amor é bossa nova, sexo é carnaval. Ou seja, sexo é diferente do resto. Basta ambas as partes saberem disso e se você é grandinho para fazer sexo, tem que ser grandinho para entender que isso é um ato animal, necessidade fisica e psicológica, faz bem pro corpo e pra alma, produz endorfina, nos deixa felizes. Mas, se você só esperar romance, vai acabar com o coração quebrado. Mas, se for só esperando algo físico, sempre, se fechando completamente, vai perder a melhor parte.

Arranquem suspiros e se deixem arrancar. A vida é mais gostosa quando estamos apaixonados e não importa mto pelo que,  o que vale é a sensação.

Enquanto não acredito na existência de alguém que me faça suspirar, sigo encantando-me com meus livros, filmes, seriados e músicas, que me fazem tão bem, que me permitem sorrir num dia turbulento de trabalho.

Anúncios

Si es amor

18 mar

Dias como hoje me fazem sentir saudade daquilo que não vivi.

Nunca vou me esquecer quando um grande amigo meu disse que tinha essa sensação naquele momento da vida dele. Passaram-se alguns anos e um dia eu entendi do que ele tava falando, de sentir saudade daquilo que eu ainda não vivi.

Engraçado, perdi o contato com ele por um tempo, e quando nos reencontramos, ele, que mesmo sem eu falar seguido me conhecia tão bem falou: agora tu entende o que dizia?! Isso, antes mesmo de eu falar isso pra ele.

É engraçado pensar nisso, mais ainda porque foi uma música do Fito Paez que me remeteu a sentir saudade do que eu ainda não vivi.

Graças a deus aproveitei muito bem os momentos da minha vida, mas tem coisas que eu não vivi e eu realmente espero viver. Não são sonhos que quero realizar, mas coisas “pequenas”.

Algumas delas, graças aos bons amigos que tenho, já fiz. Momentos tão simples que só de lembrar me fazem sorrir num dia que tive várias notícias ruins.

Sábado li no banheiro de um bar que fui: “Acredite no amor”. Achei engraçado essa frase num banheiro feminino, mas ok. E conclui que eu acredito no amor, só não espero por ele. Não sonho em encontrar o cara dos meus sonhos, pff, nem pensar mesmo nisso!! Aprendi, com a vida, logicamente, que vale a pena aproveitar os bons momentos (que seja uma noite, uma semana, um mês, um ano, uma década, não importa) com as pessoas legais que cruzam em nossa vida.

Enfim, saudade do que ainda não vivi, muita. Mas concordo com a música do Fito Paez, Si es amor: “Son las reglas del destino, son las reglas del amar”. E o resto da música? É minha vida… “Quando Tu querias a rotina, eu dizia quero ar, preciso de liberdade.”

coisas da vida

15 mar

Enquanto ontem eu listei milhoes de coisas simples e maravilhosa, hoje eu poderia dizer uma única coisa muito ruim.

Mas ficarei em silêncio e direi que nada melhor que chegar em casa depois de um dia cheio, escutar uma boa música, sem sapato, bem relaxada na nossa cama. Em silêncio, sem ninguém falando, incomodando ou querendo saber como foi o teu dia.

Aquela paz de estar sozinho.

Até porque eu ainda não entendo porque as pessoas acham tão necessário ter namorado(a). Enquanto eu acho que é tão bom ter amigos, que é muito melhor ter ótimos amigos do que alguém para dormir comigo, dividir o vinho, ir no cinema, sair pra jantar. Até porque, posso fazer tudo isso com minhas amigas ou sozinha, não vejo problema algum! E, sinceramente, adoro dormir sozinha.

Desculpem-me os românticos, mas tem coisa melhor do que poder virar e revirar na cama? Não pra mim. Acordar a hora que eu quero, sem ninguém me chamando, ou falando. Acordar, em paz, no meu tempo, com meus pensamentos. Até porque, as minhas horas mais criativas são quando eu tô quase dormindo e logo que acordo, ou seja, momentos tão meus, tão íntimos, tão sinceros, que dividir com alguém requer muito de mim.

 

Resumindo? A vida pode ser linda, mesmo quando não estamos em busca de um “cobertor de orelha”!

coisas boas da vida

14 mar

Banho quente em dia frio, capuccino, dormir com coberta, meia de lã, sentir o ar gelado do inverno no rosto, tomar café no solzinho num dia de inverno, banho de mar num dia bem quente, pé na areia, rir até doer a barriga, uma soneca depois do almoço, não ter hora pra dormir nem para acordar, folga numa sexta feira a tarde sem ter planejado, terminar um livro que adorou e saber que ele tem continuação, tirar 10 na prova e não precisar fazer recuperação, cerveja gelada em dia quente, vinho com as amigas, cinema, um pacote de pipoca e seriado num dia de chuva, receber aumento. Tomar um porre e não ter ressaca, compras, cozinhar, comer uma barra inteira de chocolate sem culpa alguma, pastel com massa feita em casa, feijão de mãe. Beijo roubado de quem a gente tá afim. Receber uma sms de madrugada com um simples: “tô com saudades”. Rooftop. Conhecer gente divertida, jogar uno, brincar com os sobrinhos até cansar, descobrir o nome daquela música que tu amava quando não existia internet, escutar “aquela” música na rádio. Suspiros arrancados, paquerar, sorrisos aleatórios durante o dia. Pão de queijo novinho com toddy, doce de leite no pão. Jantar com as amigas. Matar a saudade. Ficar sem fazer nada. Sorriso de criança, gargalhada de bebê. Dia de chuva quando não tem que sair de casa. Chá de vanilla. Sussurro no ouvido. Andar de pé descalço. Banheira de espumas. Cachorro quente de festa de criança, brigadeiro na panela. Sorvete no inverno. Festa até amanhecer. Pôr do sol, nascer do sol. Estrela cadente. Acordar com um belo “bom dia, como tu ta linda”. Chegar em casa e ter janta novinha pronta. Vinho e boa cia. Silêncio. Brisa do mar. Inverno. Viajar. Dormir na própria cama. Ter ótimos amigos em todos os momentos.

12 mar

Alguma coisa ia ter q atingir esse coração de pedra.

E atingiu.

 

Viva o Beatles.

😉

Re-apaixonar-se

11 mar

Oi?

É, tô falando sem se re-apaixonar. Ok. Não acredito nisso. Acredito que as pessoas se apaixonam e deu, que não deixam de estar apaixonadas por alguém e depois fiquem novamente. Ou o sentimento sempre existiu, ou deixou de existir.

Infelizmente, ou não, eu aprendi desde cedo que as pessoas não mudam, nunca, por hipótese alguma. Elas podem melhorar ou piorar, mas mesmo isso é dificil e acontecer. A vida é cruel, sorry =\

Não me importo com isso, das pessoas não mudarem sua essencia, na verdade é meio que reconfortante saber que tua melhor amiga não vai se tornar numa cretina e que aquele idiota, vai seguir idiota. Essas coisas são engraçadas, pois não podemos nos re-apaixonar por algo que nao somos mais apaixonados.

Ah, paixão?, algo que talvez um dia eu entenda, supere. sei lá. Não sei bem o que é. mas sei o que sinto. Paixões não vão e vem como trens, elas duram tempo o suficiente para sermos felizes e infelizes. Trazem suspiros e choros…

O que vai e vem são encantamentos… aquele cara bacana que nos leva pra jantar, vai ao cinema e é querido. Mas isso, não é, necessariamente paixão.

Sentimentos não são traduziveis em palavras, ok, exceto Neruda, que fez milagre com as palavras! Sentimentos, para mim, são expressados com ações, gestos, imagens. Acho que é por isso que amo arte. (tá outro assunto isso!)

Mas, se for possível se re-apaixonar vá fundo, re-apaixone-se. A vida sem paixões é tao vazia.

 

do fim ao começo

5 mar

Músicas que fazem suspirar.

Livros que fazem viajar.

Filmes que emocionam.

Ninguém é tão insensível a ponto de nunca reagir a nada. Pode-se ficar muito tempo sem reações, mas dai é doença.

Um aroma, um gosto, uma lembrança, que faça rir ou chorar, são coisas que não tem preço. Ah e como é bom suspirar por um amor, mesmo que esse já tenha acabado!, mas que se sabe que foi lindo.

Aquela saudade gostosa, que faz sorrir no meio de um dia estressante e que faz acreditar que tudo pode ser lindo outra vez.

Saber aceitar que algo acabou é difícil, se não fosse, ninguém sofria com a morte.

Saber que algo chegou ao fim é difícil, pois o novo assusta. São poucas as pessoas que gostam daquele frio na barriga do começo. Sem falar, claro, da sensação de fracasso que o fim nos dá, e a parte do luto, de aceitação, de rever conceitos, erros e acertos…

É complicado chegar ao fim, mas sou daquelas que ve o copo meio cheio, não sempre, mas vê.

O fim pra mim é um recomeço e sou daquelas que ama o friozinho na barriga do inesperado.

Falando de forma geral, quando algo acaba, a sensação de vazio é grande, lógico, o que dói, confunde, cansa, assusta. Enquanto pensar em algo recomeçar, de novo, cansa mais ainda, desanima, da um grande desespero.

Agora, especificamente, fim de relacionamentos, além do vazio terrível, da sensação de fracasso e de tristeza, e lógico, a certeza de que nunca mais haverá força o suficiente para se recomeçar algo, eis que recomeçam os frios na barriga, as borboletas no estômago, as dúvidas, incertezas, “dates”, ligações, sms… e assim vai. E pra mim, todo relacionamento deveria ter gostinho de começo, de incertezas, de risos do nada, de sorrisos maliciosos, de beijo roubado, de quero e não quero, de mistério e sedução.

O fim de nada, além da morte, é o fim eterno. Tudo sempre recomeça, e o gostinho do recomeço é sempre de começo, de primeira vez, de suspiro, romance (mesmo que não seja de relacionamentos amorosos), de dedicação e de medos, mas quele medinho de que amanhã deixe de ser assim, com borboletas no estômago e suspiros aleatórios.