Arquivo | agosto, 2013

Sobre estar tudo errado

28 ago

Há tempos venho dizendo que está tudo errado no mundo. E acho mesmo, que chegamos a um ponto que não existem mais valores, respeito, mais nada, que está tudo errado.
Aprendi coisas básicas sobre hierarquia (sim, vivemos num mundo hierárquico, portanto, lide com isso e aja de acordo!), respeito, educação e solidariedade. Ok, o último não entra neste post.!! Mas seguindo…., não consigo entender pessoas que não tem respeito por nada, não consigo, assim como má educação. Me desculpem os mal educados, mas vocês não são filhos de chocadeira, ou seja, devem ter tido uma educação, nem que seja a mais básica e chula, mas tiveram!! USEM-NA.
Mais do que isso, alguém me explica pessoas que fazem joguinho, que enrolam, que fingem ser o que não são? Alguém me explica porque, ainda hoje, depois de tanta luta por liberdade, tem tanta gente que casa para seguir convenções, que namora por namorar, sem amor, sem nada, que força um sentimento apenas para não ficar um final de semana em casa vendo televisão sozinho. O mundo tá tão carente assim? Não pode haver carinho e afeto entre amigos e parentes, que supram carências afetivas? Ou o mundo tá tão sexual que as pessoas não podem ficar sem transar por um determinado tempo?
Para mim, tá tudo errado.
Ainda bem que fizeram eu voltar a acreditar que existe sim pessoas que conquistam, que não saem namorando “qualquer um”, que buscam alguém bacana, que realmente vale a pena dividir a vida.
Namorar é mais que sexo, é mais que dormir de conchinha, é muito mais do que ter cia pras festas de família, casamentos e formaturas, é mais que não ir sozinha no cinema, de ficar o final de semana debaixo das cobertas, pelo menos pra mim.  Para mim, namorar é compartilhar sonhos, medos, frustrações, conquistas, é estar junto sem deixar de ser eu mesma, não é ser “nós” é ser “eu” e “você”. Namorar não é alterar o status do facebook e andar de mãos dadas na redenção domingo a tarde, é encontrar no final do dia mais cansativo da semana e assistir a um filme tosco e dar risada, é ser companheiro para uma bela indiada e para não fazer nada no domingo a tarde. Nada de posses, cobranças e desconfianças, acreditar sim, cegamente, no sentimento, na relação, é ser maduro para saber que se está comigo é porque realmente quer, não porque queria, desesperadamente alguém. Namorar é conquistar, antes de tudo, não é “ir pegando” e ver onde dá, não é querer prender a pessoa com medo que ela fique com outra, caso não se titule namorada, é saber que, mesmo eu não apresentando com tal título, é só você que eu quero e é com você que tô. Namorar não é um rótulo que se dá, uma etiqueta num pote de comida, é uma forma de se sentir, é estar com que se gosta, sem temer, é acreditar numa relação que existe, num sentimento correspondido, é acreditar no que sente e no outro.
O problema é que o mundo tá tão do avesso que cada vez menos as pessoas querem um namorado, elas procuram um rótulo, daqueles que a gente coloca no pote quando faz compota.
Por isso eu digo que tá tudo errado, infelizmente.

sobre o cursor piscando na tela

23 ago

Quem nunca ficou horas com o cursor piscando na tela do computador sem saber o que escrever?! Dois casos clássicos: começar um trabalho acadêmico ou responder algo que alguém te disse.
Pois é.
Sobre a parte da vida acadêmica, não quero lembrar de brancos e bloqueios, porque graças a deus meu cérebro tá sendo mega bonzinho comigo e permitindo que meu texto flua que é uma delícia (pelo menos é o que eu acho!!).
Sobre não saber o que responder, é mentira se eu disser que isso acontece, tenho sempre uma resposta na ponta da língua, mesmo que não seja a mais adequada…

 

Meu cursor  tem piscado na tela em branco por eu querer dizer coisas que eu acho que não devo. Logo, fico ali, olhando pra tela, pensando em tudo que eu poderia colocar nela e não coloco, por medo, por covardia de dizer tudo que tenho vontade.
Engraçado, a gente sempre peca nas mesmas coisas e no meu caso é não dizer o que sinto por achar que to demonstrando escancaradamente. Grande erro meu, homens não entendem entrelinhas e indiretas, homens entendem o que querem e quando querem, ou seja, quase nunca (por favor. algum homem me diga que tô louca!!!! e errada!).
Enfim, para não deixar meu cursor ali piscando a toa, resolvi falar, mais do que indiretamente (para não perder o costume), que tô tentando dizer mil coisas mas não consigo, pois sou covarde o suficiente para fingir que tudo ok, enquanto o que eu quero é virar a mesa do avesso, chutar baldes e ficar contigo

Ufa, passou. Que o cursor não fique mais piscando na tela em branco.

Sobre [in]certezas

19 ago

Quando uma série de músicas traduz aquilo que tu sente, ou aquilo que já sentiu, ou mesmo o teu pensamento sobre determinada coisa, é quando tu tens vontade de colocar cada uma delas numa música, cada trecho entregar para as pessoas que achas que deveriam te entender de uma forma singular.
Falando de forma mais direta, entre amores e desamores, a maioria das músicas que escuto possuem algum significado maior pra mim. Dificilmente gosto de alguma banda ou música “a toa”. Sou feita de signos e significados, imagens e sons. Tudo pra mim tem alguma ligação, nada é “solto”. Minha sensibilidade não permite isso.

Enfim, conversando no final de semana, me dei conta de muitas coisas, uma delas é que realmente não nasci para ter incertezas, para ficar na dúvida, para ficar me remoendo e me questionando sobre sentimentos alheios. Gosto de coisas intensas, de coisas inteiras. De beijos de arrancar suspiros por dias, só de lembrar sorrir. Não gosto de metades, não vivo e não sei viver assim. Sou intensa, inteira, sensível (muito mais do que eu gostaria!).
Sentimentos me afetam, muito! Gostar de alguém e não saber o que está rolando me deixa maluca, insana e burra! Não sei viver de incertezas, apesar de eu não ter sempre certeza de nada.
Pelo menos, quando se trata de amores e desamores, vivo das intensidades, das partes inteiras, tanto para o bem quanto para o mal, logo, incertezas são ruins, e nesse caso, são metades retalhadas em pedaços menores.
Sobre sentimentos, vivo de certezas, de voos rasos mas intensos, sem muitas manobras, sem muita enrolação.
Quero amores de Beatles, de verdade, de sorrir sozinha, de ter certeza, segurança. Quero amores que durem enquanto a parte boa for maior que a ruim.

Quero certezas.

Sobre lembranças [1]

17 ago

Acho que minha formação e estudos ao longo da graduação e mestrado me assombram. A temática memória, lembrança, esquecimento me fascina tanto que sempre é algo que acabo pensando, refletindo e querendo escrever.
Lembranças, (nada de memórias e esquecimentos hoje) é algo fantástico e terrível, ao mesmo tempo que pode te fazer sorrir, pode te fazer querer morrer.
Busco sempre guardar as lembranças que me fazem sorrir e, na maior cara de pau, me desfazer daquelas que, por qualquer motivo que seja, me remetem a uma saudade nada positiva.

Enfim, dai me dou conta que ter lembranças é uma coisa ótima. Tomar mate, por exemplo, sempre vai me lembrar a Páscoa deste ano (2013). Stella Artois, a Laura, o resto da minha vida!! A Feira do Livro de 2012, o Rodrigues e a Debs e o Ara e fritas, e pipoca!
Chivitos?, Carnaval de 2013!!, assim como Beatles, Kings of Convenience. Frio de rachar, Uy! (Tá o Uy tá no meu top 10 de lembranças, ou seja, qq coisa me remete ao Uy). Elefantes e joaninhas, a minha irmã, maluca, que “me fez” tatuar 4 elefantes e “me faz” andar com uma joana na bici.
Enfim, é engraçado isso. Claro, sem falar em cheiro de perfumes, que me remetem a FreeShop, que me levam a minha infancia (no Uy, sorry!!!).
Areia no pé, minha adolescência. Musica francesa a faculdade, e assim vai. Cheirinho de feijão, a comida de mãe, churrasco a ano novo em família….

Ahhhh, olfato, gustação, audição, tato, todos a favor de nossas melhores lembranças e piores monstros.
Desapegue das más lembranças, guarde-as numa caixa e coloque na lixeira, chore muito quando fizer isso (siim, deixar qq coisa para trás doi pra caramba), limpe o mural, o quarto, a casa. Recomece com novas e boas lembranças.
Todo dia é dia de seguir em frente, mas em alguns dias temos que tomar as rédeas, botar coisas fora, deixar as boas lembranças! Sim, essas, coloque no mural, no porta retrato, na porta da geladeira, relembre-se delas diariamente!!! As outras, amasse bem, ao som de uma boa musica, bem alto.
Quando você conseguir fazer isso, parabéns! Hora de seguir em frente.

sobre romances de inverno

7 ago

A sociedade adora rotular e titular tudo. Acho que é  uma necessidade que o ser humano tem de se sentir pertencente, de ser racional.
Por isso, divide os amores em temporadas: amor de férias, amor de carnaval, amor de escola, amor de faculdade, amor de viagem, e por aí vai… Mas eu nunca ouvi falar de amor de inverno, de romance que começa e termina durante o inverno. Tenho a impressão que os romances que começam pouco antes dessa época, ou durante ela (engraçado, sempre comecei meus namoros em períodos mais quentes do ano!!).
Todo mundo espera encontrar um pé para aquecer o  inverno… Agora, rumando a primavera percebi que o inverno é período de hibernar, de descansar a cabeça, de focar os planos e correr atrás de sonhos. Inverno é período de interiorizar. Quem passa um inverno sozinho e bem, duvido que vá chegar na primavera procurando qualquer tipo de romance.
Engraçado isso. Neste inverno tive o melhor dos romances da minha vida! Certamente o mais sincero, mais puro e mais intenso.
Desejo que os meus próximos invernos sejam assim, deliciosos, leves, gostosos, corridos, atarefados, cheios de sonhos, dramas, medos, tempestades, dias de sol, de paz e turbulência. Que meus invernos permitam hibernação, reflexão, construção de novos sonhos e realização de tantos outros.

 

punta del este - uy

punta del este – uy

sobre viagens/sobre viajar

6 ago

Conversando com diferentes grupos de pessoas a respeito de viagens e a vontade de viajar, me dei conta que eu quero o mundo, quase que literalmente (eu deveria comprar um globo, isso sim!!)

Enfim, cada vez mais me dou conta que vou morrer sem conhecer metade do que eu gostaria, pois sim, queria girar o mundo, conhecendo culturas, países, pessoas, tudo que eu tivesse direito de vivenciar em cada local que eu fosse. Mas né, isso exige muito além de tempo, dinheiro… exige muito além que eu possa.

Mas ao mesmo tempo que isso me entristece muito, me tira o foco de milhares de coisas que quero fazer, me motiva a seguir querendo. Acho que sou movida ao querer, termino um projeto com outro na cabeça, não nasci pro marasmo. Mas seguindo o baile. Acho que uma das coisas mais ricas que se pode fazer na vida é viajar.
Queria ter mais tempo para viajar, mais tempo porque hoje não posso largar tudo e ir para outra cidade me aventurar. Ok, poder eu posso, mas sei que não devo mais, muito mais por motivos profissionais que pessoais, bem na verdade.

Admiro minha irmã (que eu duvido que leia meu blog!!!) que largou tudo, inclusive namorado, para ir viajar, e nunca mais voltou. Admiro muito. Sei que ela foi querendo nunca mais voltar, será que é por isso que eu aprendi que a saudade é algo normal de se sentir? (okay, voltando…. dislexia faz parte da minha escrita!! haha).

Retomando o assunto proposto inicialmente…
Acho que mesmo que a viagem seja curta e perto ela nos faz rever conceitos e nos perceber de uma forma diferente.
Amo viajar, acho que meu lugar é no mundo e não enraizada. Descobri que eu preciso de pouco para me sentir feliz e conexão 24horas por dia não é uma delas, um banho quente e uma cama pra dormir me são o suficientes para terminar bem um dia.

Muita gente acha que viajar é fugir da realidade, pff, eu viajo para me encontrar. Sério. Quanto mais viajo mais eu me percebo como gente. hahaha

Okay, that’s it. Só sei que ultimamente o que mais penso é que quero viajar, pra um destino único, local onde me sinto em casa, segura que amo mais que minha própria pátria (fazer o quê?).