Archive | abril, 2015

Vide Bula

1 abr

Assim como remédios, as pessoas deveriam ter uma bula, básica, nada muito profundo… Algo contendo:

– forma de usar

– precauções

– contra indicações

– em caso de superdosagem

Seria estranho?

Acho que não!

Seria interessante as pessoas serem alertadas antes, assim não haveria decepções.

Opa, decepções?

Há quem diga que só damos valor às alegrias porque temos dias tristes. Isso sim acho besteira, entretanto, acho que só percebemos os dias felizes quando passamos pelos tristes.

Quando ficamos muitos dias felizes, só nos damos contas disso quando algo ruim acontece. Que merda né?

Mas, e se eu abrir meu coração e dizer que naquele momento eu sabia e muito bem q eu tava feliz, e que iria durar um tempo (e que ano que passou rápido!!) e que eu aproveitei cada segundo?! Eu sabia que nunca mais seria leve daquela forma, que os ventos jamais soprariam por tanto tempo daquela forma, eu sabia que era “agora ou nunca” e foi tudo tão verdadeiro e tão puro que hoje, relembrando, parece que foi um sonho, de tão perfeito!

Hoje um amigo estava me contatando de um date que ele teve esses tempos, na verdade foram dois encontros apenas, mas que foram perfeitos, mágicos. Foi tipo isso!! Ainda bem que durou mais do que “dois encontros”. Mas foi isso.

Naquele momento eu não precisava de bula e nem queria ler a de ninguém, pouco me importavam as precauções, as lágrias, cicatrizes e dores que viriam daquilo tudo. E tiveram, muitas, algumas arranhões, membros estraçalhados, corações partidos. Teve de tudo, quase um esquartejamento. E ainda assim, foi tão leve, tão lindo! Sem restrições. Tudo até a última ponta!! Até o último suspiro.

São esses momentos, são esses dias, são essas coisas que vivo, até o fim, sem desistir no meio do caminho, doa o que doer depois, que me fazem levantar todos os dias e viver. Não acredito em metades, em fugir (não que eu nunca tenha o feito, lamentavelmente já e isso faz eu me arrepender!!) antes do fim, não gosto de pessoas mentirosas, falsas, enrolonas. Se for para não gostar de mim, não me importo, mas se for me amar, me ame verdadeiramente, inteiramente, intensamente.

Prefiro as verdades que doem do que as mentiras que confortam.

Prefiro lembrar sempre da leveza, da suavidade, da intensidade (acredite, isso não é nada contraditório!!).

Então, se você busca alguma bula minha, ai vai: sem restrições, sem mentiras, sem medos. excesso de todo e qualquer desejo e sentimento verdadeiro. Isso basta.