Ano do Galo de Fogo

16 jan

s4njg0atwae-joshua-newton2017 promete!

Promete ser um ano para acabar com tudo e recomeçar. Sabe aquelas viradas drásticas das coisas? Que precisam ter um fim, de fato, para ressurgirem?! Tenho essa a sensação sobre 2017.

Não vai ser fácil. Nada fácil. Não vai ser docinho, nem se comparado a 2016!! Desculpe, não sei me iludir quando não sinto de verdade algo! hehehe 2016 foi tenso, intenso e terrível! #sqn. Pelo menos para mim, foi um ano pesado (tipo aqueles dias de verão que tá um calor dos infernos e tá quase caindo um temporal, tu sente o ar pesado mesmo, úmido e aquela tensão pré-temporal!!). Para mim, isso descreve 2016! 2017 vai ser o temporal, o que tem que ficar fica, o que não tem,o vento, a chuva, a tormenta vai levar embora!

Nessa transição de ano, me dei conta de sentimentos loucos, intensos, os tornei racionais, isso não que dizer que os superei ou “deixei para lá”. Isso que dizer que tomei consciência de que nem tudo é tão claro, que nem tudo é tão certeiro, mesmo quando temos certeza e que a gente muda, que todo mundo muda, e muito, o tempo todo. Sempre penso que mudar é bom, odeio inércia, odeio gente que depois de 10 anos seguem com a mesma rotina, o mesmo pensamento e com os mesmos hobbies (gente sem graça!!!).

Acho que não é fácil. Conseguir racionalizar qualquer coisa é tarefa complicada, exige tempo, saco e um belo pacote de papel, porque é bem doloroso. Aprender a olhar para nós mesmos, para o nosso interior, para nossas dores e amores, sem filtros, sem julgamentos é tão complicado que dói. Tipo dor física, tipo doença do corpo físico também!

Por isso, o que eu sejo para este ano do Galo de Fogo é mais introspecção, mais auto conhecimento, e acima de tudo, algo que estou aprendendo, aos poucos, mas com muita dedicação: compaixão!

 

Anúncios

Sobre trabalho

4 fev

Tenho estudado e ido a diferentes palestras, cursos e eventos que falem de marketing digital e sobre o que devemos esperar de 2016, entre tanta outras coisas como tendências, clientes, comportamento.

Nos últimos dois anos (mais ou menos tempo que tenho me dedicado somente a esta área de estudos) todos falam de mobile, mobile e mobile. Nesse tempo surgiu a “febre” dos apps. Todo mundo queria fazer um. Refletindo sobre exatamente isso, e buscando entender melhor, mês passado (janeiro), fui a uma palestra onde a moça (eu sou péssiiiiima para guardar nomes) que estava apresentando questionou muito sobre esse desespero por apps. A partir disso, me dei conta de algo muito simples, a gente faz mkt digital, apps, sites, facebooks, partindo do ideal e não da nossa própria rotina, ou de nossos clientes. A gente esquece que 99% do tempo do nosso dia estamos na rua com 3g comendo nossos dados via instagram, whatsapp, facebook, twitter e email. Agora me diz, QUEM vai baixar o seu app? Okay, não estou falando que ngm deve ter app, tanto que o MEU celular acabou a capacidade de tantos que tenho. E dai, vem uma segunda pergunta, o que tem o SEU APP de TÃO bom que eu não irei desinstalar para ter espaço para tirar mais fotos do meu cachorro?

Pergunta que as pessoas não fazem. E é TÃO SIMPLES. Cada vez mais tenho pensado no consumidor, na Roberta, no João, no Pedro, na Maria e ai por diante. Nas pessoas, em suas rotinas, que assistem novela grudadas no celular, que estão vendo o jornal e acompanhando o que está acontecendo no Twitter. Que vão para a balada mas não saem do snapchat ou do tinder. SIM. Quem é o TEU público, o que que ELE gosta de fazer e quando TU pode falar com ele?

São coisas básicas, que a gente não pensa, não analisa… Enfim, esse assunto é gigante, e deveria se pensar mais, refletir mais! Não é fácil, não é uma canoa que se constroi sozinho dentro de quatro paredes. Requer uma equipe preparada, interessada e principalmente fora da caixa.

Mas dai, falar de equipe vai ficar para outro texto… em outro dia de inspiração. 😉

deixa que digam, que pensem e que falem…

23 nov

Sim, as pessoas adoram falar, sim adoram criticar, julgar. As pessoas apontam o dedo para as escolhas alheias, mas jamais olham para o seu umbigo. Jamais, param e refletem sobre as suas escolhas.

Sim, isso se encaixa a ti, a mim, a todos nós. Evoluído aquele que consegue se colocar no lugar do outro antes de pensar em si.

Não sejamos hipócritas, a gente projeta, mais do gostaríamos (pelo menos eu), e dai entram a mágoa, frustração, etc… Se a gente fosse evoluído o suficiente, não iríamos nos importar tanto.

Paciência, a vida é assim, cheia de projeções, expectativas e frustrações.

Dai, eu me pego pensando: “deixa que digam, que pensem e que falem….” no final do dia, sou eu, com meus botões, meus medos, minhas alegrias e conquistas, minhas frustrações, meus problemas e minhas soluções. No final das contas, sempre estamos sozinhos. Temos que estar bem com nós mesmos, e se isso acontece… AHHH, é tão simples o resultado, tipo um mais um sabe?! A gente não tem tempo de julgar o outro. Pois dai sim vamos entender, aceitar e não se importar com o que os outros fazem, com as suas escolhas, até pq, cada um é dono de sua própria alegria e conquista, mas de sua dor também. Cada um é feliz, ou não, por suas próprias escolhas. E, da mesma forma como não sei a tua história (aquela, mais íntima, que mtas vezes nem a gente entende), ninguém, nunca, vai saber da minha.

Música aos meus ouvidos

20 nov

Depois de uma semana tensa, louca, cansativa e aparentemente eterna… AH a tão desejada sexta-feira.

Até parece que meu organismo sabia. Aguentou firme até quinta a noite, para desabar! É quando a gente não para, respira, medita, o corpo pede, suplica por descanso, a mente berra desesperadamente por silêncio, ou uma boa música para relaxar, longe de fofocas, de pressão, de estresse, mas apenas coisas boas, lembranças que façam o coração sorrir.

Acredito que tem dias que a única coisa que se precisa é um pouco de música, tranquilidade, e se enfiar em uma bolha, se tele-transportar, através de lembranças, para aquele lugar quietinho, em que sabemos que nada vai nos atingir, que sabemos que somos intocáveis, que é tudo tranquilo, pleno, sem desculpas esfarrapadas, sem prazos vencendo, sem contas a serem pagas, sem nada, apenas serenidade.

Eu queria, do fundo da minha alma, ser um “budah”. Admiro as pessoas tranquilas, calmas. Mas meu coração e mente são dois vulcões, sempre explodindo! Nunca dormem, nunca descansam… Até meu corpo e mente suplicarem.

Eu tomo uma coca-cola | Ela pensa em casamento

5 nov

Ela anda de bici, ele de skate.
Ela adora artes plásticas, ele adora videogame.
Ela adora beatles, bob dylan, cazuza, ele escuta rap, hip-hop, reggae.Ela come sanduiche natural, frutas e saladas, ele se delicia em xis bacon.
Ela ama filmes europeus, ele só assiste blockbuster.
Ela é viciada em seriados, ele, em vídeos de skate.
Ela pratica yoga, ele luta jiu-jitsu.

photo-1438109519352-a52c41243c1a

Incrivelmente diferentes, mas no dia a dia, são tão iguais. Sonhos, princípios, profissão, ideais… No fundo as diferenças nunca foram um problema, um mostrou ao outro as suas paixões, as suas preferências e assim vivem bem, um descobrindo e desbravando o mundo do outro. Dia após dia, lado a lado, cheios de amor, cumplicidade. Afinal de contas, qual a graça seria se tu soubesses tudo que eu sei, e eu tudo que sabes, nada acrescentaríamos um ao outro, morreríamos de tédio no primeiro feriadão chuvoso.

Criar estratégia é fácil…

4 nov

Bem isso, criar estratégia, fazer planejamento, é fácil! Pros outros! Para mim, não consigo sair do plano das ideias, nem escrever e organizar isso eu consigo tempo.

Lamentável. não? SIM!

Pois é, cá estou eu, querendo criar uma rotina de postagens, um cronograma, que não seja a cada duzentos anos. Assuntos e ideias não faltam, mas tempo para parar na frente do computador e digitar o que tem se passado nesta cabecinha oca aqui, tá difícil.

Tenho pensado em estratégias, organizado cronogramas, repesando estratégias, lido, lido e lido, nossa tenho estudado tanto que tem dias que acho que meus olhos vão cair. Mas ok, não vou reclamar, hahaha

Mas sabe que eu acredito que ninguém lê o que posto aqui, sendo assim, um peso a menos por eu sumir por tanto tempo. Até porque, PERIODICIDADE é uma das PRINCIPAIS coisas para ser público. 😉 #ficadica

sobre coisas que não entendemos

15 set

Depois da tempestade, o sol abre. Não é mesmo?

Pelo menos cresci ouvindo isso, e acredito.

Então, o que eu posso dizer, depois de uma tempestade, de um mar agitadíssimo, veio a calmaria, a paz. Ah, a tranquilidade tão desejada. Coração e mente tranquilos, em perfeita sintonia e equilíbrio.

Talvez tenha sido o alcool, ou o estresse, não sei ao certo, mas sei que sairam toneladas das minhas costas. Agora, mais leve, mais tranquila, mais sensata para tocar as coisas.

Que setembro acabe em paz, que com a primavera a vida se encha ainda mais de amor.